O que você vê?



Sou uma caricatura injusta de mim mesma.
Um rascunho feito numa noite quente por um rosto expelindo lágrimas frias
Todas as metáforas pobres e desconexas
Que qualquer escritor do bar da esquina poderia  criar e parecer ousado
Sou toda essa infâmia e cansaço
Que pode te engolir e desordenar seu passos certos,ou talvez não.


Foge-me as coisas eternas.
Fica aqui,somente o perecível,o falho,o laço desatado,a vulnerabilidade do Mundo.
Quero ser tanto,que me engasgo no dia.
Vejo os desenhos mal pintados e penso nas cores que não existem,só elas importam realmente.
Tenho por mim,que me tornei um desejo inacabado.


Lágrimas.
Minhas lágrimas carecem de expressão e persuasão.
é mais difícil chorar em um dia de sol,daqui pra frente será pior,eu sei... como sei!
Os dias de chuva escondem.
Os dias de sol,fazem arder em nós o sal e o amargo do pranto confuso.




Virei uma paródia malfeita e corrosiva  da minha canção particular.


Leia-me.


Beba-me.


Degluta-me.




Diga o que vê,além da sua própria fome de se ver em mim?



2 comentários:

Felipe.Fetzer 19 de dezembro de 2009 22:02  

Eu vejo tudo torto, fora de seus lugares,
quem sabe alguém algum dia bote tudo em ordem,
mas acredito que só uma força maior que a humana poderá fazer isso,
uma força chamada por nós de fim, mas por outros de um novo começo...

bliss 21 de dezembro de 2009 04:33  

Não tenho certeza porque, mas me lembrou da Esfinge.

Decifra-me, ou devoro-te.

Postar um comentário

ahn?

Seguidores